Educação

O Ministério da Educação desenvolve uma política educativa baseada em três pilares: qualidade, inclusão e convivência, entendendo à educação como igualadora no acesso, permanência e egresso da coesão social e impulsionadora do desenvolvimento humano e da vida em democracia. Durante todo esse tempo tem se trabalhado com dois eixos como claros horizontes para a educação santafesina: a inclusão no sistema educativo e a qualidade das aprendizagens de nossos estudantes.

Essa política é enquadrada no Plano Estratégico Provincial visão 2030, especificamente no eixo qualidade social, e está composta por programas e planos que promovem a construção da igualdade de oportunidades para o acesso, a permanência, a aprendizagem e o egresso de crianças, jovens e adultos.


Os programas principais são Volto a estudar, Jornada ampliada, Infraestrutura Escolar, Escola aberta, Educação viária, Universalização da sala de quatro anos, Práticas profissionais em escolas técnicas e Educação sexual, os quais são levados adiante com a participação dos atores do sistema educacional: docentes, diretores, alunos e assistentes escolares.


O sistema educacional compreende quatro níveis (Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio, e Ensino Superior) e conta com oito modalidades: ensino profissionalizante, educação artística, educação especial, educação permanente de jovens e adultos, a educação rural e a educação intercultural bilíngue.


São 70 mil professores, assistentes escolares e cooperadores que vão pelo mesmo rumo, a cada dia, para encontrar-se com crianças, jovens e adultos no fato criativo, generoso e libertador, que é a educação.


São mais de 800 mil alunos que comparecem diariamente, tendo acesso ao direito à educação consagrado na Constituição Nacional.




São 5 mil escolas que os recebem, localizadas estrategicamente, em todo o nosso território.


São palcos de suas histórias singulares, e por sua vez, dessa história coletiva, que se tece no constante ir e vir entre as aulas e a comunidade que as rodeia.


Em Santa Fe, continuamos abrindo espaços juntos para que valha o esforço daquele que a cada dia confia em que a educação continua sendo a chave para viver melhor.


Plano Volto a Estudar


O Plano Volto a Estudar se iniciou em 2013, quando do Governo de Santa Fe se decidiu ir buscar as crianças que tinham abandonado a escola, para que retomem e concluam o Ensino Médio.


A iniciativa nasce no marco da obrigatoriedade do nível secundário e pela convicção de poder reverter a taxa de deserção escolar.


Esse Plano é um dos maiores desafios que se propôs o Ministério da Educação no Gabinete Social da província de Santa Fe. Por um lado, porque a articulação com outros ministérios foi decisiva para conseguir um enfoque integral das problemáticas das crianças dos bairros mais vulneráveis das maiores cidades da província, principalmente Rosario e Santa Fe: Segurança, Habitat, Justiça, Desenvolvimento Social, Saúde, Cultura, Educação, Trabalho, Produção.


Por outro lado, porque o coração desse plano foi trabalhar sobre as diferenças de cada caso. Quer dizer, detectar os motivos pelos quais as crianças abandonavam os estudos e encontrar a maneira de que voltar novamente à escola seja levando em conta cada dificuldade.


Com equipes interdisciplinares, da província e as prefeituras, esses jovens foram buscados, casa por casa, para desenhar em conjunto uma estratégia que lhes permitisse voltar a estudar. Entretanto, as escolas se prepararam para recebê-los e acompanhá-los em suas trajetórias escolares, atendendo especialmente a realidade de cada um, e fortalecendo também o vínculo dos outros alunos com a escola secundária. Um grupo de conselheiros juvenis, referenciais dos jovens que voltaram a estudar, acompanham-nos fora da escola, para que consigam driblar os inconvenientes que aparecerem no trajeto escolar.


Assim, 800 jovens, mais da metade dos que foram buscados em suas casas, retomaram os estudos em 2013. Em mais de 90 escolas foram recebidos pelos nossos docentes e eles os acompanharam para finalizar um novo ano acadêmico.


Em 2014, foram visitados 3400 jovens de diferentes localidades de toda a província. O melhor lugar para que os jovens construam seus projetos de vida é a escola. O compromisso do governo com os santafesinos é garantir a educação dos jovens. Porque a educação é o seu direito. E uma oportunidade para abrir novos caminhos. Para que os jovens completem a educação obrigatória, em Santa Fe se avança com o Plano Volto a Estudar.


-Verão Jovem


Para esses jovens, também os monitores serão acompanhantes durante o recesso, em programas de recreação como Verão Jovem, que é um programa do governo local que os convida a realizar atividades recreativas de verão: natação e jogos, acampamentos, etc. Desse modo, com o início do ciclo letivo 2014, tenta-se que o vínculo das crianças com as instituições próximas à escola não se debilite. É apresentada como a oportunidade para continuar em espaços educativos e recreativos durante o recesso escolar.


Essa proposta para os jovens durante o recesso escolar também é uma oportunidade para que aqueles que ainda não vão à escola, possam entrar em contato com estudantes e com monitores juvenis para começar a trabalhar as possibilidades de retomar os estudos obrigatórios. Quer dizer, no que se refere à estratégia do Volto a Estudar, Verão Jovem é um dos espaços ponte entre os jovens e a escola, que permite aproximá-los de maneira indireta, através de outras propostas do Estado ou de organizações sociais.


As Tramas Digitais


Esse programa, que articula as ações que o Governo provincial desenvolve em torno da inclusão digital, tem três eixos de trabalho. Em primeiro lugar, a acessibilidade. Quer dizer, que professores e estudantes disponham de recursos tecnológicos nas salas de aula. Nesse sentido, junto com a Fundação Novo Banco de Santa Fe e a Fundação Acíndar, o Ministério da Educação entregou 60 Salas de Aula Digitais para o Ensino Fundamental.


No Ensino Médio e Superior e na Educação Especial, deste mesmo eixo, e no modelo de articulação público e privado, alunos e docentes começaram a receber lousas digitais Interativas, que serão vinculadas às netbooks disponíveis nesses níveis, para realizar atividades nas salas de aulas que recuperem o vínculo professor-aluno e dos alunos entre si.


O segundo eixo que aborda Tramas Digitais é a conectividade. Desde 2008, o Governo provincial estendeu a conectividade à internet a todo o território provincial e alcançou 98% das escolas sede.


Finalmente, o terceiro eixo do programa é a formação e atualização dos educadores, em serviço, para o uso de tecnologias educativas, com intenção de recriar os processos de ensino e aprendizagens, reforçando o vínculo entre o docente e seus alunos mediante a criação e implementação de dispositivos pedagógicos com tecnologias digitais interativas.


Para essa formação, o Ministério da Educação dispõe de um Campus Virtual para docentes de todos os níveis e modalidades do sistema. Recentemente desenvolveu também uma plataforma em Web Conference que permitirá a possibilidade de gerar vínculos à distância, e compartilhar atividades acadêmicas e científicas em todos os Institutos de Formação Docente que vão incorporando-se progressivamente ao Programa Tramas Digitais.


Jornada Ampliada


Desde 2013, a Província de Santa Fe incorporou a Jornada Ampliada em escolas de Ensino Fundamental de Rosario e Santa Fe, como eixo transversal da inclusão, a convivência e a participação cidadã.


No marco da Lei Nacional de educação estendida, o Ministério da Educação, iniciou a experiência na 4ta e 5ta série e continuou nesses mesmos estabelecimentos com as 6ta e 7ma séries.


Para tal fim, as escolas tiveram que acondicionar os seus espaços, abrindo refeitórios e ampliando salas de aulas que permitissem garantir o desenvolvimento em áreas de linguagens artísticas, inglês, acompanhamento ao estudante, pedagogia empreendedora. Espaços onde as crianças possam projetar as suas ideias para planificá-las e desenvolvê-las no futuro. Um lugar onde permanecer e pertencer.


Em 2014, esses frutos abriram caminho para incorporar mais escolas tendo como objetivo chegar com Jornada Ampliada a 100 escolas da província de Santa Fe, atingindo 7.300 crianças da comunidade educativa santafesina.


De ESI sim se fala


Desde 2010, o Governo de Santa Fe implementa em todas as escolas da província conteúdos curriculares de Educação Sexual Integral.


No marco da Lei Nacional N° 12.150, que estabelece o ensino de Educação Sexual Integral como eixo transversal aos conteúdos curriculares, as equipes de especialistas do Ministério da Educação, cada ano somam professores e assistentes escolares para aplicar os lineamentos da Educação Sexual Integral em cada disciplina e em cada espaço da instituição escolar. Em 2013, somaram-se a esses espaços de formação e debate, os jovens do Ensino Médio.


A informação sobre educação sexual integral permite a reflexão conjunta entre docentes e profissionais acerca de como abordar na sala de aula o direito ao acesso a essa informação.


A sexualidade, a diversidade de famílias, a identidade de gênero, o conhecimento e respeito pelo corpo, a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres, a discriminação, e a importância dos afetos nas relações são os conteúdos principais que se trabalham na sala de aula.


Esse processo finaliza com atividades criativas, onde alunos, docentes e familiares são os principais protagonistas. Peças de teatro, mesas de debate na escola, produção de vídeos, cartazes, canções, e atividades organizadas com os centros de saúde e as instituições do bairro, são algumas das propostas que surgiram do compromisso coletivo.




Em 2013, participaram mais de 35 mil docentes, e 15 mil estudantes refletiram e fizeram propostas para fomentar a confiança e o respeito, a prevenção e o desfrute da vida.


Em 2014, o governo de Santa Fe continuará fortalecendo essa política, ampliando o número de escolas e localidades que trabalhem na perspectiva da Educação Sexual Integral, para que mais crianças e jovens arquitetem os seus projetos e vivam os seus projetos de futuro em um clima de convivência e plena liberdade.